Arquivo do Fórum Nintendo Blast

Olá visitante/usuário! Nós estamos em processo de migração e deixaremos este Fórum em breve.

A migração é para termos mais liberdade e para podermos ter um Fórum melhor! Se você ainda não é cadastrado neste Fórum e nem no novo, clique aqui e cadastre-se já no Novo Fórum!

Se você já possui uma conta aqui, clique aqui e saiba como migrar para o Novo Fórum Nintendo Blast!
Arquivo do Fórum Nintendo Blast

    G1 entrevista Reggie Fils-Aime

    Compartilhe
    avatar
    Luigi Bros.
    Veterano Nv.35
    Veterano Nv.35

    Karma Karma : 424
    Posts Posts : 1355

    G1 entrevista Reggie Fils-Aime

    Mensagem por Luigi Bros. em Ter 01 Nov 2011, 18:18

    G1 entrevista Reggie Fils-Aime
    Em sua primeira visita ao Brasil, o presidente da Nintendo of America, Reggie Fils-Aime, quis saber os motivos que lhe dão tanto trabalho para lançar consoles e jogos no país: os impostos sobre os videogames e as dificuldades de trazer produtos importados.

    Entretanto ele não culpa o governo brasileiro. "É um problema de Nintendo", disse ao G1. "Estou aqui para entender as dificuldades de trazer os produtos para cá". Para isso, ele contou que arrumou tempo para visitar grandes redes varejistas e, também, para visitar o centro da cidade de São Paulo, onde conheceu o mercado informal de games.

    Embora afirme que tentou trabalhar com o governo brasileiro para reduzir os impostos e que seja difícil fabricar consoles aqui. Fils-Aime acredita que o país pode ser o terceiro maior mercado das Américas, atrás de Estados Unidos e Canadá nos próximos anos.
    G1 - O que fez você vir ao Brasil?
    Reggie Fils-Aime – O propósito da minha visita ao Brasil é por conta de que lançamos o Nintendo 3DS oficialmente no país no verão norte-americano. Lançamos também o Wii oficialmente. É importante visitar os varejistas para ver como tudo está indo. Acho importante entender o mercado nacional e, para isso, precisa-se sair para ver nossos consumidores, ver o que acontece por aqui. Assim, podemos pensar em trabalhar em um longo prazo para maximizar esta economia crescente e a base instalada local.

    G1 - Qual é este potencial que a Nintendo enxerga no mercado brasileiro de games?
    Fils-Aime – O mercado brasileiro representa uma grande oportunidade para a Nintendo. Primeiro, apenas tendo um bom contato com os principais varejistas daqui, disponibilizamos nossos produtos para consumidores que antes não conseguíamos atingir. Mas talvez o mais importante seja que o Brasil tenha crescido tão bem economicamente que, quando falamos de crescimento na nossa audiência, não falamos apenas em atingir consumidores que nunca jogaram videogames antes. Aqui, pretendemos alcançar pessoas que talvez nunca tiveram condições de comprar um videogame. Pessoas que, por conta disso, não entendem a diversão que o videogame traz.

    Para nós, isso é uma oportunidade grande de negócios. Continuo acreditando que na área que eu trabalho, Estados Unidos, Canadá e América Latina, o Brasil, em curto prazo, pode ser o terceiro maior país em toda a América. É uma grande oportunidade.
    G1 – Entretanto, algumas empresas enxergam o mercado de games brasileiro como algo muito pequeno em comparação ao tamanho do país...
    Fils-Aime – Eu concordaria com essa afirmação, mas o mais importante é entender o motivo disso. A razão é que os videogames entram e saem do país de maneira informal. O que quero dizer é que é preciso habilidade para chegar a um varejista como Saraiva, Fnac, Wal-Mart, entre outros. Em alguns você encontra [os produtos] e em outros não.

    O primeiro passo para Brasil se tornar um mercado grande é fazer com que os produtos estejam disponíveis oficialmente. Apenas recentemente os três consoles domésticos da atual geração foram lançados oficialmente por aqui. Acho que isso [o atraso no lançamento] limitou as oportunidades de negócios por aqui.
    G1 – A pirataria acaba sendo um fator importante nas decisões da Nintendo no Brasil?
    Fils-Aime – Ontem [segunda-feira, 31 de outubro] fui conhecer o mercado informal no centro da cidade [de São Paulo]. Tenho que confessar que achei muito menos produtos pirateados do que esperava. Isso me mostra que as oportunidades no Brasil são significativas. A classe média cresce no Brasil por conta da boa economia e da quantidade de empregos. Com isso, o consumidor está procurando produtos oficiais. Eles querem a garantia, querem saber que o produto vai funcionar direito e que o valor pago pelo entretenimento estará lá.

    Vimos este padrão acontecer em muitos países: primeiro, há um mercado grande de produtos piratas. Depois, há um mercado mais formal e, em seguida, ele começa realmente a crescer. O México está neste caminho e a Coreia do Sul passou por este processo. Isso sugere um grande potencial aqui no Brasil.

    G1 – Ter os videogames e os jogos em português no país faz a diferença para os consumidores. O 3DS já tem seu sistema traduzido. Quando veremos os jogos traduzidos para o português? E o Wii U, terá o sistema e os jogos em português?
    Fils-Aime – Com o Nintendo 3DS, fizemos um compromisso de fazer o sistema em português antes de saber o volume das vendas. Agora, precisamos ver as vendas do portátil e dos jogos para sabermos se esta decisão foi válida. Com isso, iremos considerar lançar consoles e jogos no idioma local.

    Mas reconhecemos que para fazer o mercado crescer e para fazer o produto ter apelo para todos, é necessário que eles cheguem em português.

    G1 – O preço dos videogames ainda é muito calto para a grande maioria das pessoas. Quais os meios que a Nintendo estuda para tornar os preços mais acessíveis no país?
    Fils-Aime – Para nós, o primeiro passo é entender como trabalhar com os canais do governo em como trazer os produtos para cá. Temos que trabalhar com os portos, com os centros de distribuição e entender como isso funciona. Ainda, temos que entender como isso adiciona aos custos [da operação]. Estamos passando por este aprendizado agora. O próximo passo é continuar pensando em como trazer os produtos para o mercado da maneira mais eficiente.

    Ainda temos que levar em conta os encargos e taxas do governo, e isso é extremamente complicado. Mas no final, o consumidor não quer saber disso. Temos que pensar em como trazer a mágica da Nintendo para o maior número de consumidores possível. É isso que precisamos trabalhar.

    G1 – Os consumidores querem os games no mesmo dia de lançamento dos EUA. Parece que não adianta lançar jogos muito tempo depois no país, já que os fãs vão comprar o jogo antes no mercado informal. O que Nintendo enxerga sobre essa situação?
    Fils-Aime – Nossa meta é lançar consoles e jogos no mesmo dia que nos Estados Unidos aqui e em ouros lugares. Entretanto, enquanto trabalhamos muito para cumprir essa meta, há desafios. Um exemplo: o Nintendo 3DS na cor vermelha foi enviado para o Brasil com antecedência, mas ele está parado em um porto, esperando ser liberado pela alfândega! Fizemos o que podíamos, mas por conta de uma situação adversa, ele chegará aqui atrasado.

    Precisamos entender todas estas complexidades para poder contorná-las da melhor maneira o possível para fazer as coisas do jeito certo para o consumidor. Isso significa lançamentos no mesmo dia, em português, acessível para o maior número de pessoas o possível. Isto são as coisas certas a se fazer e estamos motivados para realizar isto.

    G1 – Você falou de pirataria, das altas taxas, visitou o mercado informal da capital. Qual a solução que você vê para o mercado de games nacional?
    Fils-Aime – A solução deve ser encontrada pela Nintendo. É um problema a ser resolvido pela Nintendo. Estou na empresa há mais de oito anos e neste tempo todo tentamos trabalhar com o governo brasileiro, mas não deu certo. Neste ponto, é nossa responsabilidade ter soluções e planos para resolver o problema.

    G1 – Você acha que o governo brasileiro não vai reduzir os impostos para videogames?
    Fils-Aime – Em oito anos eu não vi nenhum indicativo dessa mudança. Quero ser claro, isto não é problema do governo ou dos consumidores, é da Nintendo. Por isso, trabalhamos muito neste mercado, temos um parceiro, a Gaming do Brasil, temos armazéns. Estamos comprometidos para resolver isso, mas não é fácil.

    G1 – Qual a dificuldade de se fabricar um videogame da Nintendo no Brasil? Sendo a Foxconn parceira da Nintendo, ela poderia fabricar os consoles aqui?
    Fils-Aime – É muito difícil. São produtos de alta precisão e o ambiente de fabricação precisa ser altamente especializado. Historicamente, temos um número muito pequeno de fábricas no mundo que produzem para nós.

    Você citou a Foxconn. Ela é uma parceira nossa que fabrica produtos na China. Eles também olham para o Brasil e tentam ver como produzir localmente. Não é fácil. Mas estamos comprometidos a resolver este problema.

    G1 – Como você enxerga o mercado de games brasileiro daqui dois ou cinco anos?
    Fils-Aime – Eu adoraria ver em um futuro próximo todos os aparelhos e jogos da Nintendo vendidos no Brasil, traduzidos e acessíveis para a massa de consumidores. Em cada lugar que a Nintendo consegue ser efetiva e traz produtos traduxzidos e acessíveis, além de ter todos os produtos disponíveis. É isso que quero ver aqui.

    G1 – Qual a expectativa para a Nintendo neste final de ano, o primeiro do 3DS, e com games como “Super Mario 3D Land” e “The Legend of Zelda: Skyward Sword”?
    Fils-Aime – Acredito que a Nintendo terá uma temporada de final de ano forte. Estamos em um bom momento no mercado com o Nintendo 3DS. A resposta dos consumidores foi muito boa com jogos como “Star Fox 64 3D” e “Pokémon Rumble Bast”, e acredito que veremos o mesmo com jogos como “Super Mario 3D Land” e “Mario Kart 7”.

    O Wii também terá um bom resultado. O novo game de Kirby está vendendo bem e o novo “Zelda” é muito bom. Tenho jogado e, falando com quem já o jogou, todos gostaram.
    Fonte:G1


    Última edição por Luigi Bros. em Ter 01 Nov 2011, 18:34, editado 1 vez(es)
    avatar
    Miifbs
    Membro Nv.33
    Membro Nv.33

    Karma Karma : 18
    Posts Posts : 353

    Re: G1 entrevista Reggie Fils-Aime

    Mensagem por Miifbs em Ter 01 Nov 2011, 18:29

    Vai passar alguma coisa na tv ou foi somente para a internet? Eu nem sabia nada disso... sou um tanto alienado. o.o Bom, gostei do que li! = ]

    Ah! Ali na fonte daria pra colocar esse endereço: http://g1.globo.com/tecnologia/noticia/2011/11/no-brasil-presidente-da-nintendo-nao-ve-reducao-de-impostos-para-games.html ; ]
    avatar
    Luigi Bros.
    Veterano Nv.35
    Veterano Nv.35

    Karma Karma : 424
    Posts Posts : 1355

    Re: G1 entrevista Reggie Fils-Aime

    Mensagem por Luigi Bros. em Ter 01 Nov 2011, 18:34

    miifbs escreveu:Vai passar alguma coisa na tv ou foi somente para a internet? Eu nem sabia nada disso... sou um tanto alienado. o.o Bom, gostei do que li! = ]

    Ah! Ali na fonte daria pra colocar esse endereço: http://g1.globo.com/tecnologia/noticia/2011/11/no-brasil-presidente-da-nintendo-nao-ve-reducao-de-impostos-para-games.html ; ]
    Alterei.
    avatar
    Stéphano Wallace
    Veterano Nv.19
    Veterano Nv.19

    Karma Karma : 21
    Posts Posts : 857

    Re: G1 entrevista Reggie Fils-Aime

    Mensagem por Stéphano Wallace em Ter 01 Nov 2011, 19:08

    Boa entrevista... espero que essa vinda dele ao país traga boas novas para nós jogadores. ^^
    avatar
    Dawson
    Membro Nv.27
    Membro Nv.27

    Karma Karma : 26
    Posts Posts : 297

    Re: G1 entrevista Reggie Fils-Aime

    Mensagem por Dawson em Ter 01 Nov 2011, 19:10

    Espero o melhor para nós...
    avatar
    Convidad
    Convidado

    Re: G1 entrevista Reggie Fils-Aime

    Mensagem por Convidad em Ter 01 Nov 2011, 19:19

    Muro de palavras cara!

    tem isso em video não?
    avatar
    Dawson
    Membro Nv.27
    Membro Nv.27

    Karma Karma : 26
    Posts Posts : 297

    Re: G1 entrevista Reggie Fils-Aime

    Mensagem por Dawson em Ter 01 Nov 2011, 19:23

    Sei lá. Tenta ver se tem algum no site do G1.
    avatar
    Felipi12
    Veterano Nv.2
    Veterano Nv.2

    Karma Karma : 11
    Posts Posts : 443

    Re: G1 entrevista Reggie Fils-Aime

    Mensagem por Felipi12 em Ter 01 Nov 2011, 19:40

    ele fala fala e fala que vai melhorar e blá blá blá aposto que vai ser igual político que promete mas nunca chega . Não acredito muito nas coisas que ele diz não.
    avatar
    Fred29
    Veterano Nv.11
    Veterano Nv.11

    Karma Karma : 21
    Posts Posts : 664

    Re: G1 entrevista Reggie Fils-Aime

    Mensagem por Fred29 em Ter 01 Nov 2011, 19:42

    Acho que ele não entende que o preço não é só com games, mas com tudo. Baita idiotice isso "é responsabilidade da Nintendo", se ele vivesse aqui ele provavelmente já teria botado a culpa no governo.
    avatar
    Fabbrini20
    Veterano Nv.MÁX
    Veterano Nv.MÁX

    Karma Karma : 1260
    Posts Posts : 8909

    Re: G1 entrevista Reggie Fils-Aime

    Mensagem por Fabbrini20 em Ter 01 Nov 2011, 19:43

    Fred29 escreveu:Acho que ele não entende que o preço não é só com games, mas com tudo. Baita idiotice isso "é responsabilidade da Nintendo", se ele vivesse aqui ele provavelmente já teria botado a culpa no governo.

    Se ele fala que é culpa do governo ele se fode ainda mais. Ele tem que "dar uma socializada", infelizmente é assim no mundo de hoje.
    avatar
    Stéphano Wallace
    Veterano Nv.19
    Veterano Nv.19

    Karma Karma : 21
    Posts Posts : 857

    Re: G1 entrevista Reggie Fils-Aime

    Mensagem por Stéphano Wallace em Ter 01 Nov 2011, 19:47

    fabbrini20 escreveu:
    Fred29 escreveu:Acho que ele não entende que o preço não é só com games, mas com tudo. Baita idiotice isso "é responsabilidade da Nintendo", se ele vivesse aqui ele provavelmente já teria botado a culpa no governo.

    Se ele fala que é culpa do governo ele se fode ainda mais. Ele tem que "dar uma socializada", infelizmente é assim no mundo de hoje.
    Com certeza! Dizer que a culpa era do governo só ia piorar a situação.

    PS.: Nenhuma empresa que queira se estabelecer em algum país, vai até lá a fala mal de seu governo. [/óbvio]
    avatar
    Fred29
    Veterano Nv.11
    Veterano Nv.11

    Karma Karma : 21
    Posts Posts : 664

    Re: G1 entrevista Reggie Fils-Aime

    Mensagem por Fred29 em Ter 01 Nov 2011, 19:51

    fabbrini20 escreveu:
    Fred29 escreveu:Acho que ele não entende que o preço não é só com games, mas com tudo. Baita idiotice isso "é responsabilidade da Nintendo", se ele vivesse aqui ele provavelmente já teria botado a culpa no governo.

    Se ele fala que é culpa do governo ele se fode ainda mais. Ele tem que "dar uma socializada", infelizmente é assim no mundo de hoje.
    Infelizmente. Mas colocar a responsabilidade na Nintendo e só nela já é exagero.
    avatar
    PedroNS
    Veterano Nv.MÁX
    Veterano Nv.MÁX

    Karma Karma : 37
    Posts Posts : 2410

    Re: G1 entrevista Reggie Fils-Aime

    Mensagem por PedroNS em Ter 01 Nov 2011, 22:43

    Bom saber que ele está interessado no nosso mercado, se bem que não é taaanta surpresa assim.

    Mas falem o que falarem, só vou comprar consoles e games nas lojas oficiais quando o preço abusivo realmente acabar. Não vou ficar me adaptando ao que o governo quer para ajudar o mercado, o que deveria acontecer é o oposto.
    Não estou dizendo que não deva haver imposto, deve haver, estou dizendo que não vou sair por aí comprando jogos de Wii a $250 reais, imposto tudo bem, desde que seja razoável.
    Se pelo menos o imposto desse resultado real...

    Até diminuírem o abuso e/ou começarem a fabricar aqui, é importar.
    avatar
    josue dark bros
    Veterano Nv.18
    Veterano Nv.18

    Karma Karma : 181
    Posts Posts : 844

    Re: G1 entrevista Reggie Fils-Aime

    Mensagem por josue dark bros em Ter 01 Nov 2011, 23:20

    eu postei isso agora pouco e foi bloqueado FAIL Face Palm :fffuuu: :fffuuu: :fffuuu: :fffuuu:
    avatar
    Wol Fandi
    Membro Nv.25
    Membro Nv.25

    Karma Karma : 0
    Posts Posts : 272

    Re: G1 entrevista Reggie Fils-Aime

    Mensagem por Wol Fandi em Ter 01 Nov 2011, 23:23

    A nintendo é a mais atrasada no mercado brasileiro, e do jeito que a nintendo of america anda, duvido que nos próximos anos haja algum investimento aqui. Triste, mas é a realidade.

    Conteúdo patrocinado

    Re: G1 entrevista Reggie Fils-Aime

    Mensagem por Conteúdo patrocinado


      Data/hora atual: Qui 19 Out 2017, 00:04