Arquivo do Fórum Nintendo Blast

Olá visitante/usuário! Nós estamos em processo de migração e deixaremos este Fórum em breve.

A migração é para termos mais liberdade e para podermos ter um Fórum melhor! Se você ainda não é cadastrado neste Fórum e nem no novo, clique aqui e cadastre-se já no Novo Fórum!

Se você já possui uma conta aqui, clique aqui e saiba como migrar para o Novo Fórum Nintendo Blast!
Arquivo do Fórum Nintendo Blast

    [Análise] Dragon's Dogma: Dark Arisen

    Compartilhe
    avatar
    Arthimura
    Veterano Nv.8
    Veterano Nv.8

    Karma Karma : 343
    Posts Posts : 577

    [Análise] Dragon's Dogma: Dark Arisen

    Mensagem por Arthimura em Seg 12 Jan 2015, 15:22


    Introdução


    Dragon’s Dogma é um action role-playing game lançado em 2012 exclusivamente para Playstation 3 e Xbox 360. Dirigido por Hideaki Itsuno e desenvolvido pela Capcom por membros de franquias renomadas como Resident Evil, Devil May Cry e Breath of Fire, o jogo possui elementos que remetem a jogos como Shadow of the Colossus, Monster Hunter e Demon’s Souls, e um mundo vasto que atraiu comparações com a série The Elder Scrolls.
    Nesta análise, irei analisar e opinar sobre Dragon’s Dogma com base na versão completa Dark Arisen (2013).
    História e ambientação



    Dragon’s Dogma se passa em uma terra de fantasia medieval e sua ambientação possui elementos de dark fantasy, com diversas criaturas ameaçadoras como wyrms, harpias, ogros, ciclopes, quimeras, hydras, gárgulas, golems, grifos, esqueletos, mortos-vivos, feiticeiros de uma seita chamada Salvation e muitas outras criaturas.
    A história inicia com o jogador assumindo o papel de um guerreiro sem nome em uma expedição para matar um dragão que ameaça o seu reino. A história então é interrompida e o jogador é transportado para o vilarejo de Cassardis na região de Gransys, assumindo o papel de seu personagem.
    O vilarejo começa a ser atacado pelo dragão Grigori que começa a destruí-lo, quando o herói em um ato de coragem empunha uma espada e enfrenta o dragão.  Porém, fraco e despreparado, ele rapidamente é derrotado. O dragão então retira o coração do herói, guarda-o consigo e vai embora.
    Quando o herói acorda, ele descobre que mesmo sem coração ainda está vivo, e que aqueles escolhidos pelo dragão são chamados de Arisen. Ele então parte em uma jornada para trilhar o caminho de Arisen e derrotar o dragão.
    A premissa em si já trás boas motivações para a aventura, mas a história realmente brilha no meio e final do jogo, com diversos plot twists, revelando-se inteligente e cheia de surpresas.
    Como ponto fraco, embora algumas side-quests sejam excelentes, outras seguem o padrão desinteressante de fetch quests, como escoltar personagens e coletar itens.
    Gameplay



    O gameplay de Dragon’s Dogma é fantástico, definitivamente o ponto mais forte do jogo.
    O jogador pode escolher entre nove vocações (Fighter, Strider, Mage, Warrior, Ranger, Sorcerer, Mystic Knight, Assassin e Magick Archer) e cada uma possui um estilo de jogo diferente com habilidades únicas.
    Além disso, o jogo possui um sistema de pawns, que são personagens que servem ao Arisen. Você cria um pawn principal que irá te acompanhar durante o jogo todo e pode recrutar mais dois pawns (que podem ser mudados durante o jogo). Como cada pawn possui uma vocação, equipamentos e habilidades únicas, existe uma grande gama de estratégias para montar o seu grupo. Como se não bastasse, você vê em tempo real pawns de outros jogadores vagando pelas cidades e estradas de Gransys, similar aos fantasmas em Demon’s Souls, tornando o jogo muito mais vivo, e outros jogadores também podem recrutar o seu pawn, fazendo com que ele adquira novos conhecimentos, itens e principalmente Rift Crystals (itens que te permitem recrutar pawns mais fortes e purificar equipamentos especiais de Bitterblack Isle).
    O combate em Dragon’s Dogma é profundo, com diversas habilidades ativas e passivas para cada classe. Cada inimigo possui pontos fracos e comportamentos específicos, similar à série Monster Hunter. Um ciclope irá se enfurecer ao ter o olho atacado, um grifo não conseguirá voar com as asas queimadas, e assim por diante. Além disso, ao quebrar/cortar partes específicas dos monstros (como, por exemplo, as presas e o olho de um ciclope), você ganha itens que são usados para melhorar armas e armaduras.
    O mundo de Dragon’s Dogma é extremamente vasto, levando literalmente dezenas de horas para ser totalmente explorado, com ciclos de dia e noite e criaturas e eventos diferentes em cada período. Diversos tesouros estão espalhados pelo mundo, dando grande incentivo à exploração, e você pode coletar diversos itens da natureza, como plantas, frutas e cogumelos.
    Gráficos e estilo artístico



    Os gráficos de Dragon’s Dogma são ótimos, os cenários são gigantescos e possuem belas paisagens, com grandes castelos, montanhas, planícies, florestas e praias. A passagem do dia para a noite é muito bem feita com o céu e a iluminação mudando gradativamente.
    Os principais NPCs e pawns são bem detalhados e bem feitos, sendo um ponto de grande destaque em um jogo de mundo aberto.

    As armaduras possuem um ótimo design e os inimigos e chefes são grotescos, combinando com a atmosfera. A atmosfera lembra em muitos pontos a do mangá Berserk, que foi uma influência para o jogo.

    Alguns dos pontos mais marcantes do jogo em termos de gráficos e arte são a ilha Bitterblack Isle e Everfall.
    Dublagem e Trilha Sonora


    A trilha sonora de Dragon’s Dogma é agradável, a música de abertura da versão vanilla é empolgante e passa uma sensação de aventura:

    A música do menu da versão Dark Arisen combina com a ambientação medieval e com a atmosfera do jogo:

    Durante o jogo, porém, as músicas se encaixam, mas não são tão memoráveis como deveriam, principalmente se comparadas com a trilha sonora de RPGs como Nier, Drakengard, Demon’s Souls e The Elder Scrolls.
    A dublagem dos NPCs e dos inimigos está disponível em inglês e japonês, e ao menos a dublagem em japonês (a que eu escolhi) é ótima.
    Conclusão

    Dragon’s Dogma é uma obra fantástica e altamente recomendada para fãs de RPGs. Além de ter um gameplay extremamente profundo, sua história e atmosfera são muito bem feitas com uma lore rica, em especial no post-game e na ilha Bitterblack Isle (conteúdo de Dark Arisen).
    É um jogo que definitivamente merece uma sequência.
    Pontos positivos:
    + Gameplay profundo
    + História surpreendente com diversos plot twists
    + Sistemas de pawns interesse e que torna o jogo vivo
    + Diversas vocações diferentes dão um grande fator replay
     
    Pontos negativos:
    - Trilha sonora não se destaca
    - Algumas side-quests são desinteressantes

      Data/hora atual: Dom 17 Dez 2017, 21:14