Arquivo do Fórum Nintendo Blast

Olá visitante/usuário! Nós estamos em processo de migração e deixaremos este Fórum em breve.

A migração é para termos mais liberdade e para podermos ter um Fórum melhor! Se você ainda não é cadastrado neste Fórum e nem no novo, clique aqui e cadastre-se já no Novo Fórum!

Se você já possui uma conta aqui, clique aqui e saiba como migrar para o Novo Fórum Nintendo Blast!
Arquivo do Fórum Nintendo Blast

    [Análise] Nier

    Compartilhe
    avatar
    Arthimura
    Veterano Nv.8
    Veterano Nv.8

    Karma Karma : 343
    Posts Posts : 577

    [Análise] Nier

    Mensagem por Arthimura em Qui 25 Set 2014, 18:13



    Introdução


    A sétima geração nos trouxe ótimos RPGS de qualidade para agradar a todos os gostos. Tivemos obras primas como Demon’s Souls, Ni no Kuni, Dragon's Dogma e Xenoblade Chronicles, e jogos que dividiram opiniões como Final Fantasy XIII e The Elder Scrolls V: Skyrim.
    Porém, entre os RPGs que são comumente citados, uma jóia oculta acabou ficando esquecida: Nier.  Dirigido por Taro Yoko, desenvolvido pela Cavia e publicado pela Square-Enix, Nier é um spin-off da série Drakengard, lançado em 2010 para Playstation 3 e Xbox 360.
    Nesta análise, eu irei falar sobre Nier, um action-RPG extremamente criativo e marcante.
    Trailer/Abertura:

    História

    Nier e sua filha Yonah, em 2049 com a Terra já afetada pela catástrofe

    A história de Nier se passa no ano de 3361, um futuro distópico onde a civilização caiu em ruínas após uma catástrofe desconhecida por volta do ano de 2049 e boa parte da população humana foi dizimada. A humanidade perdeu a sua tecnologia e passou a viver de uma forma que remete a nossa Idade Média, agrupando-se em vilarejos e vivendo de caça, agricultura, pesca e comércio.
    Como se não bastasse as duras condições de vida, os poucos humanos que sobraram são atacados por Shades, monstros cuja origem e motivação são desconhecidas.
    O jogador assume o controle de Nier, um homem viúvo de aproximadamente quarenta anos que possui uma filha doente, Yonah. Sua filha possui a doença chamada Black Scrawl, que atinge alguns dos humanos restantes e piora cada vez mais, até que um dia a pessoa morra.
    Nier é um homem honesto que valoriza o trabalho duro, e com sua coragem e habilidades com espada, vive em busca de uma forma de curar a doença de sua filha. Em sua jornada, Nier irá conhecer mais sobre o mundo devastado, enfrentar perigos inimagináveis e fazer aliados valorosos como Grimoire Weiss, um livro falante de sabedoria e poderes imensuráveis, a mulher sexy e vulgar Kainé e o poderoso Emil.
    SPOILERS DO PLOT – Recomenda-se que não leia se pretende jogar o jogo
    Spoiler:
    Durante a sua jornada para achar uma cura pra sua filha, Nier encontra um livro branco mágico chamado Grimoire Weiss, que o acompanha em sua jornada. Com a ajuda do livro, Nier descobre que ele precisa encontrar os poderes chamados de “Sealed Verses”, para ser capaz de derrotar um livro negro chamado Grimoire Noir, assim erradicando a doença Black Scrawl e salvando sua filha. Nier então derrota diversas criaturas super-poderosas e no processo obtém todos os Sealed Verses. Porém, quando ele finalmente iria em busca do Grimoire Noir, seu vilarejo é atacado por um Colossus gigante, além de diversos shades menores. Nier manda todas as pessoas para a biblioteca (ponto mais protegido do vilarejo) e enfrenta o Colossus que sempre se regenera. A luta é dura, mas Nier e Grimoire Weiss conseguem vencê-lo com a ajuda de Kainé. Entretanto, quando eles achavam que o Colossus já havia morrido, ele entra na biblioteca em uma forma semelhante com uma serpente, gerando uma nova batalha. Quando Nier, Grimoire Weiss e Kainé iriam selar a criatura que sempre se regenerava, Nier é atacado por uma criatura com asas que destrói o teto da biblioteca e que possui o Grimoire Noir, o Shadowlord. O Shadowlord rapta a filha de Nier Yonah, e após tentar fundir o Grimoire Weiss com Grimoire Noir sem sucesso, vai embora.
    Com Nier gravemente ferido, e o Colossus prestes a destruir tudo se não fosse selado, Emil (que havia chegado a pouco) é obrigado a selar Kainé e o Colossus com o seu poder de petrificação.
    Cinco anos se passam após este acontecimento, e Nier continua procurando por sua filha que o Shadowlord roubou. Nier perdeu um olho, mas aperfeiçoou suas habilidades de combate, se tornando perito agora no uso de espadas de duas mãos e lanças, além de espadas de uma mão. Nier e Emil continuam amigos, e após uma visita a um laboratório do antigo mundo, eles descobrem os experimentos de armas com crianças que fizeram no antigo mundo, e durante uma luta com a arma Number 6 (irmã de Emil), Emil se transforma em uma espécie de esqueleto mas ganha poderes mágicos.
    Nier, Grimoire Weiss e Emil agora com seus novos poderes são capazes de libertar Kainé. Após libertá-la, o Colossus continua vivo, mas Nier e Grimoire Weiss são capazes de mata-lo, visto que Nier estava mais poderoso e não mais ferido.
    O grupo então descobre a localização do castelo do Shadowlord, e partem em uma jornada para adquirir os cinco fragmentos da chave que abre o castelo. Para conseguir os fragmentos, o grupo precisa matar diversos monstros e revisitar locais de cinco anos atrás. Após conseguir todos os fragmentos, o grupo segue para o castelo do Shadowlord.
    Lá, após diversos combates, o grupo se encontra com Popola e Devola, as irmãs gêmeas líderes do vilarejo de Nier que os ajudou por toda a jornada.  O grupo então descobre as irmãs gêmeas são androides sem alma criados pelos humanos por volta de 2049, nas vésperas da extinção da humanidade. Os humanos daquela época, prestes a serem extintos pela White Chlorination Syndrome e as mudanças climáticas da Terra, desenvolveram o Project Gestalt, que buscava separar os corpos e almas dos seres humanos utilizando o Grimoire Noir e Grimoire Weiss, para que quando a Terra fosse novamente habitável e a White Chlorination Syndrome tivesse desaparecido, eles pudessem voltar a seus corpos. Entretanto, o Project Gestalt deu errado e as almas dos seres humanos perderam a racionalidade, se transformando nos Shades. Os corpos que haviam sido separados das almas e que seriam meras “conchas” acabaram com o passar de 1300 anos ganhando consciência, se tornando os falsos humanos que vemos durante o jogo. O Nier original (Nier Gestalt) é o que jogamos no prólogo do jogo, e ele foi o único ser humano que manteve sua sanidade do processo de separação, se tornando o Shadowlord. Ele raptou a filha do Nier que jogamos durante o jogo (Nier Replicant) para trazer de volta a alma de sua filha para o corpo.
    O grupo então derrota as andróides, mas Popola enlouquece com a morte da irmã e tenta mata-los. Para salvar Kainé, Nier Replicant e Grimoire Weiss, Emil se sacrifica e contém o poder de Popola. Nier, Kainé e Grimoire Weiss vão então enfrentar o Nier original, o Shadowlord.
    Nier Replicant, que foi a consciência que emergiu do corpo do Nier original, se tornou muito poderoso em sua jornada e consegue derrotar com facilidade o Shadowlord. A filha do Shadowlord pede para que eles parem, e fala que ela (a Yonah original) ouve uma garota querendo ver o seu pai (Nier Replicant), e libera sua alma do corpo. O Shadowlord, enfurecido por ter perdido a sua filha fica mais poderoso. Grimoire Weiss que já estava enfraquecido usa seus últimos poderes para enfraquecer o Shadowlord, e Nier Replicant, contando agora apenas com suas habilidades de combate físico, derrota e mata o Shadowlord. Nier, Kainé e Grimoire Weiss despertam então a filha do Nier Replicant, e passam um último momento de alívio.
    Existem outros três finais se o jogador realizar novos playthroughs com o mesmo save, começando após os cinco anos que o Shadowlord roubou a filha de Nier e adicionando alguns detalhes na história.
    Gameplay





    Nier possui um gameplay fantástico, extremamente criativo, diversificado e inovador. O motivo disso é que ele sempre insere novos elementos em sua jogabilidade, e em certos momentos o jogo até muda de gênero.
    Na maior parte do tempo, Nier é um action-RPG em terceira pessoa com combates de estilo hack and slash, remetendo a jogos como God of War e Bayonetta. Em sua jornada, Nier aprende diversas magias que o permitem realizar golpes especiais, como atirar lanças mágicas, atacar com punhos gigantes, projetar doppelgängers para atacar os inimigos, criar estacas no chão, etc. Todas as magias podem ser configuradas da forma como o jogador preferir, e permitem que o jogador crie suas próprias preferências e estilo de jogo. Além disso, no começo do jogo Nier possui habilidades com espadas de uma mão, e eventualmente passa a poder utilizar espadas de duas mãos e lanças.
    Tudo isso faz com que Nier seja um hack and slash sólido com combates prazerosos.
    Mas isso não é tudo, embora na maior parte do tempo Nier atue como um hack and slash, ele possui diversos elementos de outros gêneros. Em Nier, uma parte fundamental das side-quests está em coletar materiais da natureza, caçar animais, praticar agricultura e pesca.  Existe uma variedade gigante de peixes para se pegar, em locais diferentes do mundo e utilizando iscas diferentes. Da mesma forma, existem diversas frutas, plantas e flores que Nier pode cultivar.
    Durante a história, o gênero de Nier muda constantemente. Temos momentos de side-scrolling, platforming, momentos de terror que a câmera fica fixa (como em Resident Evil) para dar mais suspense, momentos em que a câmera fica em visão aérea, e até mesmo momentos que remetem a Visual Novels, com histórias narradas totalmente na forma de texto, em que o jogador imagina as cenas e realiza escolhas.
    Tudo isso faz com que Nier seja muito rico em seu gameplay, e o faz digno de mérito apenas pela ousadia e criatividade de aplicar tantas ideias diferentes e inusitadas em um único jogo. E não apenas ousado e criativo, Nier aplica essas ideias de uma forma eficiente e agradável.
    Trilha Sonora



    A trilha sonora de Nier foi produzida pelo estúdio MoNACA, dirigida por Keiichi Okabe. Durante o desenvolvimento do jogo, o diretor de Nier Taro Yoko pediu que a trilha sonora utilizasse muitas canções cantadas.  A trilha sonora é composta de muitas músicas melancólicas, e a vocalista Emi Evans (que também trabalhou na trilha sonora de Etrian Odyssey) inventou um novo idioma para as músicas, inspirado em Galego, Português, Espanhol, Italiano, Francês, Inglês e Japonês, imaginando como esses idiomas seriam após 1000 anos de mudanças.
    Como resultado, a trilha sonora é magnífica e foi amplamente elogiada pela crítica, criando músicas emocionais que se encaixam perfeitamente com a atmosfera do jogo e seus momentos chave.
    Alguns exemplos de ótimas OSTs presentes no jogo:




    Gráficos e direção de arte



    Na versão japonesa de Nier, o protagonista é mais novo e Yonah é sua irmã ao invés de filha. Os desenvolvedores acharam que o público japonês reagiria de forma mais forte com um irmão salvando sua irmã, e o público ocidental à um pai salvando sua filha.

    Os gráficos de Nier são infelizmente o calcanhar de Aquiles do jogo. O jogo possui uma grande riqueza de cenários, indo de vilarejos aconchegantes e santuários a bases militares destruídas e mansões assombradas, mas ele definitivamente seria beneficiado de melhores texturas e cores mais vivas, principalmente no que se refere aos cenários. Nota-se um maior esforço nos modelos dos personagens, possuindo um maior nível de detalhes.
    A direção de arte, entretanto, compensa a deficiência dos gráficos e consegue criar o clima certo. Durante o jogo, os cenários possuem diversos elementos do “mundo antigo”, como grandes pedaços de ferrovias remanescentes no oceano, antigas bases militares em ruínas, etc, fazendo com que você realmente se sinta em um futuro distante que a terra foi devastada.
    Alguns cenários em especial são eficazes em criar uma sensação “alienígena” com seus designs inusitados, em especial a cidade The Aerie e o santuário The Lost Shrine.
    Conclusão



    Nier é uma obra prima capaz de gerar fortes emoções, com sua história e trilha sonora magnífica, além dos ótimos combates. Infelizmente a série Drakengard nunca fez grande sucesso, de forma que a desenvolvedora Cavia não existe mais e o diretor da série Taro Yoko não trabalha mais na Square-Enix. Dessa forma, Nier acabou vendendo menos de um milhão de cópias e ficando esquecido.
    Mas nunca se sabe o que o futuro reserva para a série.
    Pontos positivos:
    + Uma das melhores histórias que já vi em vídeo-games
    + Personagens principais marcantes e bem desenvolvidos
    + Combate divertido
    + Ótima trilha sonora
    + Diversos elementos criativos na jogabilidade

    Pontos negativos:
    - Gráficos poderiam ser melhores considerando o poder do PS3 e Xbox 360
    - Embora algumas side-quests sejam fantásticas, outras são “bobas”
    - Dar upgrade em armas e conseguir todos os tipos de flores requer bastante grind, tornando o jogo difícil de platinar.

      Data/hora atual: Qui 14 Dez 2017, 08:17