Arquivo do Fórum Nintendo Blast

Olá visitante/usuário! Nós estamos em processo de migração e deixaremos este Fórum em breve.

A migração é para termos mais liberdade e para podermos ter um Fórum melhor! Se você ainda não é cadastrado neste Fórum e nem no novo, clique aqui e cadastre-se já no Novo Fórum!

Se você já possui uma conta aqui, clique aqui e saiba como migrar para o Novo Fórum Nintendo Blast!
Arquivo do Fórum Nintendo Blast

    [Review] Shin Megami Tensei IV

    Compartilhe
    avatar
    Fujoxas
    Veterano Nv.MÁX
    Veterano Nv.MÁX

    Karma Karma : 1970
    Posts Posts : 4561

    [Review] Shin Megami Tensei IV

    Mensagem por Fujoxas em Ter 03 Jun 2014, 11:52

    Antes de começar a review, gostaria de dizer que eu irei escrevê-la de forma diferente, me aproveitando para pegar as sugestões que o lpslucasps deu ao Valcilio na review de Kingdom Hearts 3D dele. E sim, eu joguei (e ainda jogo) Shin Megami Tensei IV -QQ

    RPG é um gênero que veio sofrendo bastante nos últimos anos. Várias franquias já reinventaram suas próprias fórmulas incontáveis vezes em uma tentativa de agradar seus fãs. Porém, embora Shin Megami Tensei seja uma franquia que esteve adormecida por bastante tempo, ela não tentou alterar completamente a sua fórmula e manteve-se fiel aos jogos anteriores com Shin Megami Tensei IV.

    A história começa com o seu personagem (que é mudo) em um sonho. Várias vozes começam a falar com ele e perguntam seu nome (o nome do personagem é Flynn, mas o jogador obviamente pode mudar). Logo após alguns diálogos, uma das vozes diz que as escolhas que você tomar irão "criar um mundo completamente novo". Não subestime essas palavras, porque o dono da voz não falou nenhuma mentira. Depois, ainda dentro de um sonho, o personagem do jogador agora se encontra em uma cidade toda destruída, em frente a uma silhueta branca. A pessoa então revela que seu nome é Walter, e pede para o jogador não se esquecer dele, porque os dois irão construir um mundo em que qualquer coisa poderá ser construída simplesmente com a força de vontade dos fortes. Após esse "belo" discurso, o jogador agora se encontra em um deserto. Outra silhueta está em sua frente. O homem revela que se chama Jonathan. Este diz para o jogador que os dois irão construir um mundo em que a paz do mundo atual irá permanecer pela eternidade. E para completar as cenas bizarras, uma garotinha aparece em uma praia, pedindo para que o jogador a reviva.

    O protagonista finalmente acorda, ao lado de seu amigo Issachar. Os dois encontram-se em um mundo medieval, chamado Eastern Kingdom of Mikado (que funcionará como o HUB World). Nesse reino, os jovens que completarem 18 anos precisam se dirigir a Mikado Castle para participar de um ritual chamado Gauntlet Rite. Basicamente, jovens de todo o reino se reúnem em um único local para ver se braceletes futurísticos irão brilhar em seus braços. Tudo isso para se tornarem guerreiros chamados Samurai. Issachar parece fissurado com a ideia de se tornar um, mas como o destino é cruel, o bracelete não brilhou para ele. E obviamente o jogador é selecionado para ser um Samurai. No dia seguinte, o jogador conhece os outros quatro Samurais novatos. Isabeau, Navarre e... Jonathan e Walter. Esses dois últimos dizem que sonharam com o personagem do jogador, mas a conversa é interrompida, já que os novatos precisam começar seu treinamento. E eis que o jogador tem acesso à primeira dungeon do jogo, Naraku (que, em nosso idioma, significa Inferno). Embora a história pareça simples até aqui, não vai levar muito tempo até ela sofrer uma reviravolta impressionante, que irá fazer com que o jogador tenha mais cuidado em suas escolhas a partir do momento em que tal reviravolta ocorrer. Mas nem isso irá fazer com que os personagens sejam muito impressionantes. Como o protagonista é mudo, muitas vezes os personagens irão "falar por você", fazendo passar a sensação de que os personagens só estão lá para falar pelo personagem do jogador e infelizmente isso afeta a qualidade da história, já que os companheiros do protagonista estão intimamente ligados com a história.

    Ainda sobre a história, esse jogo, assim como boa parte dos jogos que têm "Shin Megami Tensei" no título, possuí finais diferentes (e um bad ending), que dependem do caminho que você irá tomar durante o jogo. O que define o caminho são as alternativas escolhidas em vários diálogos e decisões durante a história. Por causa disso, jogar apenas uma vez não será o suficiente para entender COMPLETAMENTE os três lados da história, o que aumenta consideravelmente o fator replay. Como Shin Megami Tensei é um jogo bem "filosófico", nenhum dos três finais é considerado o verdadeiro. Quem decide isso é o jogador, que deve utilizar seus conceitos de "certo e errado" para julgar quem tem a razão ou não no mundo caótico do jogo. Isso é algo brilhante. São raros os jogos que têm diversos finais que são puramente interpretativos e Shin Megami Tensei faz isso melhor do que qualquer outro jogo. Tenha em mente também que os personagens do jogo tentarão fazer o jogador se sentir mal em determinadas escolhas, independente do caminho que elas levarem, o que faz com que os personagens sejam realistas com relação à situação em que eles se encontram.

    Ahahahah... Claro, Jonathan, claro... O QUE ESTÁ OLHANDO, WALTER? Sigh...
    Já deu para perceber que o jogo demonstra ser relativamente difícil, já que a história tem três caminhos diferentes e que o final dependerá de suas escolhas, o que faz com que seja complicado pegar algum caminho que você queira. Mas as dificuldades não param por aí. Sim, as lutas do jogo são ridiculamente difíceis, ainda mais para marinheiros de primeira viagem. O jogo possui escolhas de dificuldade, mas apenas a dificuldade Normal está desbloqueada (e é a padrão). Shin Megami Tensei IV, e seus antecessores, é um RPG de monstros colecionáveis, assim como Pokémon. A diferença é que os monstros não possuem fraquezas claras, praticamente obrigando o jogador a examinar os oponentes para conseguir ver seus stats (Strength, Dexterity, Magic, Agility e Luck) e fraquezas (são oito tipos de dano: Physical, Gun, Fire (Agi), Ice (Bufu), Electricity (Zio), Wind (Zan), Light (Hama) e Mudo (Darkness), sendo que os dois últimos só possuem golpes de OHKO). TODOS os inimigos são extremamente violentos e mesmo que seja o seu primeiro encontro com um tipo de demônio, ele irá agir como se soubesse as fraquezas de seu time inteiro. Aumentar o level de seu personagem não irá adiantar muito, já que o level praticamente serve apenas como requisito para fundir seus demônios na Cathedral of Shadows e para distribuir pontos de atributo entre os cinco stats já mencionados acima. E como não há stat de defesa, o jogador irá apanhar facilmente até de demônios no level 1, mesmo que esteja no level máximo. O jogador talvez pense que trocar as armaduras e armas do personagem seja uma grande ajuda, mas infelizmente isso não é o correto. O mais importante delas é que as armaduras da parte de cima do corpo trocam as fraquezas e resistências do protagonista, mas o resto das armaduras parecem que estão lá apenas para customização da aparência do personagem.

    Além do sistema de fraquezas e resistências, o jogo possui um sistema chamado Smirk. Basicamente, quando um personagem consegue realizar um ataque crítico, ou é alvo de um golpe que é imune, há uma pequena chance do personagem entrar em estado de Smirk, que faz com que o personagem fique com uma taxa de evasão elevada e seu ataque e chances de causar um golpe crítico são maximizados. Todas as fraquezas do personagem em Smirk são neutralizadas. Curiosidade: Se toda a party do jogador estiver em estado Smirk, o equivalente à metade do HP e SP de todos serão recuperados. O interessante de Smirk é que tanto aliados, quanto oponentes podem ficar nesse estado, então não é um sistema que exclusivamente beneficia o jogador.

    O sistema de Press Turns do jogo também é genial. Se um aliado ou oponente atingir a fraqueza do alvo ou conseguir um critical, o time irá ganhar uma rodada extra, então dá para ter até 8 rodadas seguidas, o que pode ajudar ou pode ser fatal, já que, assim como Smirk, tanto aliados quanto oponentes podem se aproveitar desse sistema. Embora você consiga ter 8 ações, as lutas são rápidas, MUITO rápidas. Somando isso ao fato de que Shin Megami Tensei IV só vira um "grinding festival" se o jogador quiser, o jogo tem capacidade de atrair até quem foge de RPGs por eles serem lentos demais.

    Bons stats os seus. Seria uma pena... Se eu te trocasse daqui a dois leveis.
    Logo na primeira dungeon, Naraku, o jogador irá experimentar suas primeiras frustrações. É normal entrar no lugar achando que o jogo irá pegar leve, já que aquela é a primeira dungeon e que ainda está no tutorial. Engana-se quem pensou assim, infelizmente, já que é completamente possível morrer no tutorial. A primeira quest, que faz parte do conjunto de quests do tutorial, pede para o jogador matar um demônio. Até aí tudo bem, mas o jogo começa a mostrar suas garras na próxima quest, que exige que sejam recrutados três demônios. Sim, os demônios são recrutados, não capturados. Para isso, o jogador precisa dialogar e negociar com o demônio desejado. Este irá pedir diversas coisa para o jogador. Desde simples itens como uma Life Stone, a uma grande quantidade de HP. A grande maioria dos demônios irá fazer perguntas ao jogador, mas tenha em mente que está tentando recrutar um demônio. Nem sempre a resposta que você acha que é a correta será a que o monstro quer ouvir. Se o jogador irritar demais o demônio, ele (e o resto do grupo dele, se tiver mais o acompanhando) irão atacar sem dó nem piedade a sua party. Porém, diferente dos seus antecessores, Shin Megami Tensei IV dá a oportunidade ao jogador de tentar recrutar um demônio quantas vezes ele quiser, mas há chances da criatura se cansar do jogador e ir embora da luta. Basicamente, a fórmula do sucesso é ir recrutando e fundindo o máximo que puder os seus monstros, para conseguir uma equipe cada vez mais forte. Sim, talvez isso seja meio repetitivo, mas de jeito nenhum é um processo tedioso. Na verdade, é aonde o jogo mais brilha. As cenas de recrutamento são extremamente hilárias e bizarras e isso já é o suficiente para manter o jogador interessado em recrutar pelo menos todos os demônios que existem na dungeon. Falando em fusões...

    Ok, ok... Eu já escutei isso milhões de vezes, Mido.
    Existe um aplicativo em Burroughs, inteligência artificial que existe em todos os Gauntlets, chamado "Mido". Essa é a Cathedral of Shadows, um aplicativo extremamente importante. É praticamente impossível passar o jogo inteiro sem fundir seus monstros. Shin Megami Tensei IV introduz o sistema de fusões recomendadas. O jogo irá basicamente selecionar os melhores demônios que estão em seu estoque e mostrar no que a combinação deles irá resultar. É um sistema que obviamente foi feito pensando em novatos e isso é extremamente útil no começo do jogo. Porém, não é recomendável ficar dependendo desse sistema. Chegará uma hora em que o jogador precisará usar a ferramenta de busca da Cathedral of Shadows para procurar outras combinações que não aparecem nas recomendadas. Além disso, esse aplicativo traz o Demon Compendium, que é um livro digital em que Mido irá registrar os demônios que o jogador têm no momento, caso ele queira, claro. O Compendium serve para o jogador poder invocar quando ele quiser um demônio que ele recrutou ou criou no passado e obviamente isso custará dinheiro (Macca), que é bem escasso no Universo de Shin Megami Tensei IV.

    Embora pareça ser extremamente chato passar horas e horas na Cathedral of Shadows buscando uma combinação de Demônios ideal para conseguir passar de um boss desafiador ou uma dungeon com demônios muito fortes, é interessante ver as diversas combinações que são possíveis de serem feitas, afinal de contas, o jogo possui aproximadamente 400 demônios para serem colecionados. Então não tenha medo de derrotar todos os optional bosses que te atormentarem, explorar todas as dungeons opcionais ou de quests e recrutar todos os demônios de todas as dungeons, pois tudo isso irá lhe ajudar a completar o Compendium. Sem falar que é interessante apreciar a arte dos vários artistas especializados em tokusatsus que foram contratados para desenharem os demônios.

    Asmodeus tem mais acessórios do que personagem de Kingdom Hearts.
    Mesmo o jogo sendo difícil, ele mesmo irá lhe dar ferramentas extremamente úteis para superar as dificuldades. Burroughs possui uma "loja" de aplicativos em seu menu. Estes aplicativos só podem ser comprados com App Points que são adicionados ao seu total toda vez que o personagem do protagonista sobe de level (10 App Points por level) ou através de um item chamado Point-Card, que é extremamente raro e difícil de ser encontrado. O jogador tem total liberdade em comprar os aplicativos que quiser (Mapa, Mido e Talk são os únicos obrigatórios e eles são muito baratos). Esses aplicativos variam muito de utilidade. Há aqueles que fazem com que sua party inteira recupere a MP à medida que o jogador anda, há os que aumentam os slots do seu estoque de demônios e também os que aumentam os slots de skills do protagonista e de seus demônios. Enfim, é uma seleção de aplicativos extremamente útil, que com certeza ajuda e reduz levemente a dificuldade do jogo.

    Se mesmo com tudo isso o jogador ainda estiver com problemas, basta ele morrer de propósito. Ao invés de ser levado a uma tela de Game Over, o jogador encontrará alguém chamado Charon. Ele irá reviver o seu personagem em troca de metade do dinheiro que você tem. Ao morrer uma segunda vez, ele irá cobrar novamente metade do que sobrou do seu dinheiro, irá humilhar o jogador com palavras e o modo Easy será desbloqueado. A Atlus pode ter parecido meio cruel ao colocar esse sistema no jogo, mas sinceramente, é algo que chega até a ser engraçado, pois até um personagem chega a reconhecer as dificuldades que o jogador está passando.

    Seu ganancioso maldito...
    Embora a arte utilizada nos diversos demônios seja bonita, o mundo de Shin Megami Tensei IV não é nada... Agradável aos olhos. Certo, é um mundo pós-apocalíptico e é compreensível toda a destruição que se encontra pelo jogo. Mas o problema não é esse. O problema é que o jogo em si é feio. Seus mapas foram construídos de forma estranha. Muitas vezes, o jogador irá estar fugindo de um demônio e do nada esbarra em uma pedra no chão praticamente impossível de se enxergar. Talvez a renderização dos mapas em preto e cinza seja uma forma de deixar tudo mais realista o possível ou seja mais fácil para o hardware do 3DS renderizar e os famosos serrilhados que acompanham praticamente todos os jogos do portátil pioram as coisas... Por outro lado, os mapas do jogo são bastante detalhados e dá até um certo prazer explorar tudo. Talvez se não fosse pelo aplicativo de mini-mapa de Burroughs, a exploração no jogo seria bem difícil.

    Já nas lutas, não há a presença de modelos, tirando o cenário que fica mais simplificado. Os demônios inimigos, que são representados por sprites, ficam na tela de cima e o seu time na touch screen. As lutas são mais simples do que os gráficos do overworld, mas as sprites dos demônios foram todas muito bem feitas e são extremamente fieis às artworks oficiais.

    Por favor, não tenha nenhuma pedra camuflada a frente... POR FAVOR!
    Como grande parte do jogo se passa em um mundo pós-apocalíptico, sua trilha sonora é relativamente lenta, calma e passa sensação de tensão (incluindo as BGMs que tocam durante a luta), diferente de vários RPGs em que suas OSTs tentam passar a sensação de triunfo. Em Shin Megami Tensei IV não há triunfo, apenas a luta pelos seus ideais e a música sempre consegue lembrar o jogador sobre isso. Embora boa parte das composições sejam simples, cada BGM que está dentro do jogo consegue cumprir muito bem o seu papel e se encaixa perfeitamente nas situações em que tocam. É interessante notar que nas lutas aleatórias, a música de batalha não toca desde o começo da luta, mas apenas quando um dos lados ataca. Antes disso, toca uma música baixa, lenta e tranquila, que mostra com perfeição a natureza imprevisível de um mundo habitado por milhões de demônios.

    Inimigos ou potenciais aliados?

    Shin Megami Tensei IV revive a franquia principal da Atlus de forma majestosa, mesmo com seus defeitos. A indústria precisava de mais RPGs hardcore e esse jogo já garantiu seu lugar entre os melhores da categoria. Para todos que estavam reclamando da facilidade dos RPGs lançados nos últimos anos, Shin Megami Tensei IV é para vocês. Apenas lembre-se que a dificuldade absurda do jogo é normal e ela provavelmente continuará pelo jogo inteiro. Então peguem seus Gauntlets e salvem o mundo... Ou levem-no a ruína.
    avatar
    Alex990
    Membro Nv.28
    Membro Nv.28

    Karma Karma : 94
    Posts Posts : 306

    Re: [Review] Shin Megami Tensei IV

    Mensagem por Alex990 em Ter 03 Jun 2014, 12:50

    Perfeita análise @DarkRoxas. SMT IV é um jogo com muitas mecânicas, mas você conseguiu descrever cada uma delas! E deu para notar o seu gosto pelo gênero RPG.
    Para mim, Shin Megami Tensei IV foi muito desafiador. E mesmo jogando muito no ano passado, não consegui passar do Masakado Shadow Form.
    Consegui zerar Dark Souls duas vezes (uma no NG+) nas férias de verão, mas não consegui derrotar esse apelão do Masakado... em fucking seis meses!!!
    avatar
    RicardoGuedes
    Veterano Nv.33
    Veterano Nv.33

    Karma Karma : 230
    Posts Posts : 1216

    Re: [Review] Shin Megami Tensei IV

    Mensagem por RicardoGuedes em Ter 03 Jun 2014, 13:10

    Ótimo review!! Parece que vc realmente "jogou o jogo" rsrssrs.

    Eu tb joguei esse jogo e foi muito desafiador até que eu comprei a DLC que ajuda a subir de nivel rápido e aí pfff... o jogo ficou facil d+. 
    Então fica a dica: a DLC pode estragar a experiencia hardcore que o jogo proporciona.

    Conteúdo patrocinado

    Re: [Review] Shin Megami Tensei IV

    Mensagem por Conteúdo patrocinado


      Data/hora atual: Seg 21 Ago 2017, 09:16