Arquivo do Fórum Nintendo Blast

Olá visitante/usuário! Nós estamos em processo de migração e deixaremos este Fórum em breve.

A migração é para termos mais liberdade e para podermos ter um Fórum melhor! Se você ainda não é cadastrado neste Fórum e nem no novo, clique aqui e cadastre-se já no Novo Fórum!

Se você já possui uma conta aqui, clique aqui e saiba como migrar para o Novo Fórum Nintendo Blast!
Arquivo do Fórum Nintendo Blast

    Oniken (PC) traz violência e ação frenética em 8-bits

    Compartilhe
    avatar
    lpslucasps
    Blast Plus
    Blast Plus

    Karma Karma : 2138
    Posts Posts : 1958

    Oniken (PC) traz violência e ação frenética em 8-bits

    Mensagem por lpslucasps em Seg 26 Maio 2014, 14:14



    Por: Lucas Pinheiro Silva
    Revisão: Jaime Ninice
    Capa: Leonardo Correia
    Postado originalmente no site GameBlast

    Não é de hoje que jogos independentes descobriram um poderoso nicho no chamado gênero “retrô”. Principalmente após o sucesso de títulos multiplataforma como Super Meat Boy e VVVVVV, muitos estúdios se respaldam nos gráficos, jogabilidade ou estética de clássicos do passado. Alguns estúdios seguem fórmulas antigas à risca, outros mudam algumas coisas, mas no geral as comparações são inevitáveis. É comum vermos frases como “esse jogo lembra Super Mario World, do Super Nintendo” ou “tal game se parece com o Diablo de PlayStation”.

    Oniken (PC) consegue fugir desta regra com maestria. Após comprar o jogo, pensei que veria algo semelhante a Ninja Gaiden ou Contra de NES. Acabei encontrando, no final das contas, um game com identidade própria e forte.

    Direto dos anos 80

    Oniken não é um jogo com estilo retrô; ele é um jogo retrô. É como se ele tivesse saído direto dos anos 1980 e a JoyMasher fosse um estúdio da época querendo competir com os jogos de ação do NES. Os gráficos pixelados, as músicas que usam apenas efeitos chiptune, as cutscenes desenhadas cheias de exagero e até mesmo a tela de início do jogo emulam o espírito da época nos mínimos detalhes.



    A ambientação também foi transportada diretamente deste período, fazendo uso de elementos pós-apocalpíticos e de ficção científica, que permeavam a literatura e o cinema do fim dos anos 1980. O jogo se passa em um futuro não muito distante (20XX, para ser mais “exato”), destruído por uma grande e recente guerra. A organização militar Oniken controla o que restou do mundo, sufocando qualquer tipo de oposição com suas máquinas e soldados cibernéticos. A última esperança da pequena resistência é um misterioso guerreiro chamado Zaku — um verdadeiro exército de um homem só, controlado por você.

    Qualquer semelhança com Mad Max e Hokuto no Ken seria mera coincidência? Talvez, mas faria bastante sentido. A direção de arte e enredo lembram bastante essas obras marcantes da época, em especial a última mencionada acima — principalmente no que se refere à ação.

    Ken (do mangá Hokuto no Ken) e Zaku (protagonista do jogo)
    provavelmente foram separados na maternidade

    Carnificina

    Falando em ação, ela é o principal atrativo do jogo. Oniken tenta lembrar o jogador a cada segundo que o protagonista é um ser imbatível, capaz de confrontar qualquer coisa — e faz isso da forma mais efetiva: através da jogabilidade. A jogatina é dividida em seis missões, cada uma contendo três estágios. O objetivo não poderia ser mais simples: matar tudo o que se move (e algumas cosias imóveis também!).

    Morrer é bem comum, mas a experiência não é frustrante. Os níveis são bastante frenéticos, porém relativamente curtos, fazendo com que o jogador não perca muito tempo tentando completar os estágios várias vezes. Já os controles são precisos e, apesar da dificuldade, o jogo concede punições de forma justa. Os estágios foram muito bem projetados e são intuitivos, sempre apresentando uma situação ou mecânica de forma controlada antes de lançar tudo contra você. Qualquer morte ocasionada será culpa do jogador, não do jogo.



    Ao final de cada missão, aparece uma pequena cutscene lindamente desenhada que, sinceramente, é a cereja do bolo. Exageradas, com o uso quase pornográfico de violência gráfica, elas me fazem traçar, mais uma vez, paralelos com o Hokuto no Ken. Este é praticamente o jogo que o anime não recebeu na época.

    Nunca traga uma espada para um tiroteio

    Esse anacronismo de Oniken acaba por gerar alguns problemas. Primeiramente, se for jogar a versão da Steam, é recomendável que se desative o Painel Steam dentro do jogo (Steam Community Overlay). Notificações de conquistas ou até mensagens de amigos podem ocupar um bom espaço da tela e roubar seu campo de visão — que, num jogo de ação frenético, é morte certa.


    Acostume-se com esta tela

    Falando em conquistas, a ausência de uma opção, no menu, para reiniciar o nível faz certa falta em alguns casos. Se o jogador, por exemplo, está em busca de uma conquista que envolve completar uma missão sem morrer, é obrigado a voltar para a tela de início de jogo, selecionar a missão e escapar da cutscene de introdução da fase. Como é muito fácil morrer, repetir esse processo várias vezes em busca de um achievement específico fica um tanto cansativo.

    Além disso, o game é bem curto. O tamanho sucinto dos níveis foi uma decisão inteligente para balancear a dificuldade, mas acaba gerando um gostinho de "quero mais" ao final das seis missões. Após a conclusão do jogo, uma missão extra é desbloqueada, contendo uma jogabilidade diferente e bem divertida, além de uma dificuldade maior (para os masoquistas de plantão) e um modo boss rush. Mesmo assim, é possível zerar o título em 3 ou 4 horas sem muitos problemas - ou bem menos, dependendo de sua habilidade.

    Ninguém pode deter o implacável

    Esses pormenores não ofuscam os méritos do jogo. A JoyMasher fez um excelente trabalho lançando esse clássico perdido do NES em pleno século XXI. Os desenvolvedores souberam usar a estética de games clássicos com maestria, sem fazer com que o título perdesse a originalidade ou identidade — um verdadeiro exemplo para outros tantos jogos que parecem utilizar elementos retrô mais como uma muleta do que como uma ferramenta.



    Prós

    • Uso fantástico da estética de jogos e cultura dos anos 1980
    • Ação frenética e desafiadora
    • Cutscenes animadas e muito bem feitas, sem perder o estilo retrô
    • Ótimos gráficos 8-bits e músicas chiptune
    • Controles super precisos


    Contras

    • O game é bem curto, principalmente para jogadores mais habilidosos
    • Alguns problemas com o Steam Community Overlay


    Oniken — PC — Nota Final: 8,5
    avatar
    vits
    Veterano Nv.MÁX
    Veterano Nv.MÁX

    Karma Karma : 2542
    Posts Posts : 4922

    Re: Oniken (PC) traz violência e ação frenética em 8-bits

    Mensagem por vits em Seg 26 Maio 2014, 14:27

    Imagino que você deva ser o autor, neste caso gostaria de parabeniza-lo pela excelente análise. Gostei da forma como ela foi dividida em sub tópicos, ao invés de por blocos como é costumeiro.

    Só aconselharia colocar o valor do jogo e onde encontra-lo no início do tópico.  Very Happy 
    avatar
    lpslucasps
    Blast Plus
    Blast Plus

    Karma Karma : 2138
    Posts Posts : 1958

    Re: Oniken (PC) traz violência e ação frenética em 8-bits

    Mensagem por lpslucasps em Seg 26 Maio 2014, 14:32

    @vits escreveu:
    Imagino que você deva ser o autor, neste caso gostaria de parabeniza-lo pela excelente análise. Gostei da forma como ela foi dividida em sub tópicos, ao invés de por blocos como é costumeiro.

    Só aconselharia colocar o valor do jogo e onde encontra-lo no início do tópico.   Very Happy 
    Sou o autor sim. O "lps" de meu nick significa "Lucas Pinheiro Silva". : P

    Sobre o valor do jogo e onde encontrá-lo, você pode adquirí-lo na Steam por 15,99 dilmas. Vale a pena.
    avatar
    Master Red
    Veterano Nv.19
    Veterano Nv.19

    Karma Karma : 264
    Posts Posts : 873

    Re: Oniken (PC) traz violência e ação frenética em 8-bits

    Mensagem por Master Red em Seg 26 Maio 2014, 14:43

    Nem sabia que você escrevia pra Gameblast!O estrela paga bem?


    A analise ficou otima, e o jogo deve ser bem legal mas pagar 16 reais em um jogo 8-bit é tenso, ele pelo menos é grande?
    avatar
    lpslucasps
    Blast Plus
    Blast Plus

    Karma Karma : 2138
    Posts Posts : 1958

    Re: Oniken (PC) traz violência e ação frenética em 8-bits

    Mensagem por lpslucasps em Seg 26 Maio 2014, 14:59

    @Master Red escreveu:Nem sabia que você escrevia pra Gameblast!O estrela paga bem?
    Comecei essa semana, na verdade, passei na última seleção. O Estrela paga com gratidão - infelizmente não descobri ainda como converter gratidão em XP ou gold.

    @Master Red escreveu:A analise ficou otima, e o jogo deve ser bem legal mas pagar 16 reais em um jogo 8-bit é tenso, ele pelo menos é grande?
    Nas promoções da vida baixa para até uns 5 reais - mas, poxa, 16 reais não é tão caro assim... é?
    avatar
    prety peach
    Veterano Nv.MÁX
    Veterano Nv.MÁX

    Karma Karma : 146
    Posts Posts : 2354

    Re: Oniken (PC) traz violência e ação frenética em 8-bits

    Mensagem por prety peach em Seg 26 Maio 2014, 15:14

    já tinha ouvido falar dese jogo em vídeo do colonia contra-ataca
    avatar
    vits
    Veterano Nv.MÁX
    Veterano Nv.MÁX

    Karma Karma : 2542
    Posts Posts : 4922

    Re: Oniken (PC) traz violência e ação frenética em 8-bits

    Mensagem por vits em Ter 27 Maio 2014, 21:12

    Passando para atualizar a análise que não é minha.  Laughing 

    O site Indie Gala iniciou um novo bundle, onde por apenas U$:1 (R$:2,20) você leva Little Trus Man, Syberia II, Zeno Clash 2: Special Edition e ONIKEN. Caso você gaste mais de U$:3,89 (R$:8,72) ainda tem direito a outros cinco jogos.

    Ótima oportunidade para aqueles que ainda não possuem o jogo.  cyclops 
    avatar
    Wolfman
    Veterano Nv.13
    Veterano Nv.13

    Karma Karma : 609
    Posts Posts : 724

    Re: Oniken (PC) traz violência e ação frenética em 8-bits

    Mensagem por Wolfman em Ter 27 Maio 2014, 23:30

    Pior é que eu sabia desse jogo mas tinha esquecido completamente dele, então vou até por na lista de desejos aqui pra não esquecer mais. Razz 

    Jogos do estilo eram bons demais. Um dos meus preferidos era Shatterhand no NES e esse parece seguir a mesma linha então deve valer a pena, mas o preço tá um pouco alto pra um jogo curto assim ainda.

    Enfim, bem legal o review.
    avatar
    Convidado
    Convidado

    Re: Oniken (PC) traz violência e ação frenética em 8-bits

    Mensagem por Convidado em Ter 27 Maio 2014, 23:32

    Já tinha ouvido falar dele. Infelizmente nos últimos tempos estou meio "bixado" com jogos indies no estilo 8-bits, mas disseram que esse é diferente.

    Conteúdo patrocinado

    Re: Oniken (PC) traz violência e ação frenética em 8-bits

    Mensagem por Conteúdo patrocinado


      Data/hora atual: Qua 23 Ago 2017, 11:03