Arquivo do Fórum Nintendo Blast

Olá visitante/usuário! Nós estamos em processo de migração e deixaremos este Fórum em breve.

A migração é para termos mais liberdade e para podermos ter um Fórum melhor! Se você ainda não é cadastrado neste Fórum e nem no novo, clique aqui e cadastre-se já no Novo Fórum!

Se você já possui uma conta aqui, clique aqui e saiba como migrar para o Novo Fórum Nintendo Blast!
Arquivo do Fórum Nintendo Blast

    Pais da geração '8 bits' ensinam os filhos a jogar videogame

    Compartilhe
    avatar
    Warfox
    Veterano Nv.32
    Veterano Nv.32

    Karma Karma : 3
    Posts Posts : 1191

    Pais da geração '8 bits' ensinam os filhos a jogar videogame

    Mensagem por Warfox em Dom 08 Ago 2010, 10:43

    Para pais que cresceram na geração dos videogames de oito bits, isto é, nasceram a partir do final da década de 70, jogar games com os filhos faz parte das atividades em família. Desde pequenas, as crianças já demonstram interesse pelo teclado, mouse e joystick, e a introdução dos games é algo que ocorre naturalmente. Mas a brincadeira se torna ainda mais divertida quando pais e filhos podem jogar juntos.
    Desde os dois anos de idade, o filho do jornalista Fabio Santana, Pedro Henrique, que hoje está com cinco, joga videogame com o pai. “Quando a criança tem contato com aquilo que os pais fazem, o interesse surge naturalmente”, conta Santana. “Com dois anos, tudo era brincadeira, ele jogava títulos de plataforma e ‘The legend of Zelda’. No início ele não entendia os objetivos dos jogos e jogava apenas porque achava engraçado. A partir dos quatro anos ele começou a entender
    Jogar videogame faz parte da vida de Santana e de Pedro Henrique, que se divertem com games de todas as épocas e consoles. “O videogame é uma brincadeira saudável e vejo que isso colabora muito com o crescimento dele”, comenta. “Ele aprende a lidar com objetivos e com frustrações. Quando ele tinha algum desafio que ele não conseguia completar, ele ficava triste e, com o videogame, eu consegui um meio de fazer com que ele entendesse que aquilo não era o fim do mundo. O videogame acaba sendo uma ferramenta de educação”.



    Quando a criança tem contato com aquilo que os pais fazem, o interesse surge naturalmente”
    Fabio Santana
    Para pais que cresceram na geração dos videogames de oito bits, isto é, nasceram a partir do final da década de 70, jogar games com os filhos faz parte das atividades em família. Desde pequenas, as crianças já demonstram interesse pelo teclado, mouse e joystick, e a introdução dos games é algo que ocorre naturalmente. Mas a brincadeira se torna ainda mais divertida quando pais e filhos podem jogar juntos.
    Desde os dois anos de idade, o filho do jornalista Fabio Santana, Pedro Henrique, que hoje está com cinco, joga videogame com o pai. “Quando a criança tem contato com aquilo que os pais fazem, o interesse surge naturalmente”, conta Santana. “Com dois anos, tudo era brincadeira, ele jogava títulos de plataforma e ‘The legend of Zelda’. No início ele não entendia os objetivos dos jogos e jogava apenas porque achava engraçado. A partir dos quatro anos ele começou a entender
    Jogar videogame faz parte da vida de Santana e de Pedro Henrique, que se divertem com games de todas as épocas e consoles. “O videogame é uma brincadeira saudável e vejo que isso colabora muito com o crescimento dele”, comenta. “Ele aprende a lidar com objetivos e com frustrações. Quando ele tinha algum desafio que ele não conseguia completar, ele ficava triste e, com o videogame, eu consegui um meio de fazer com que ele entendesse que aquilo não era o fim do mundo. O videogame acaba sendo uma ferramenta de educação”.

    Jogos que pais e filhos gostem

    “O segredo para que o videogame se torne uma atividade entre pais e filhos é que o jogo em questão tem que agradar os dois lados”, explica Roger Tavares, doutor em games pela PUC-SP. “Já presenciei crianças de três anos brincando com videogames e isso foi algo muito positivo. Para a criança, o que importa é estar junto dos pais, socializando e fazendo bagunça”.
    Nessa idade, de acordo com Tavares, a criança não se interessa pelo resultado de um game competitivo. “Ao terminar uma corrida em ‘Mario kart’, por exemplo, ela olha para os pais em busca de um sinal de aprovação”. Para a especialista em brincadeiras educativas Adriana Friedmann, “o videogame acaba se tornando um canal de comunicação entre pai e filho”. “Neste momento, embora estejam concentrados na tela, é um momento em que estão juntos”.



    Escolher um jogo para se jogar com os filhos e, principalmente um que o pai goste, não é tarefa simples. O motivo é que a classificação indicativa presente na capa da maioria dos jogos eletrônicos lançados no Brasil é relativa ao conteúdo, como cenas de violência, por exemplo, e não à dificuldade do game.

    “Super Mario bros. Wii”, por exemplo, é um game livre para todas as idades de acordo com o órgão de classificação norte-americano Electronic Software Rating Board (ESRB). Entretanto sua dificuldade é elevada até para gamers adultos dos mais experientes. “O Pedro não conseguiu passar do terceiro mundo do jogo”, afirma Fabio Santana.
    A classificação indicativa, no entanto, ajuda a escolher jogos que não são violentos. Geralmente, estes títulos são impróprios para menores de 14 anos, apresentando gráficos mais adultos e a presença de sangue. Mas, para conseguir selecionar um game para jogar com os filhos, o pai deve jogar o título antes. Adriana Friedmann afirma que jogos que apresentam cooperação e competição saudável, como esportes, são recomendados. “O problema são jogos com temas muito bélicos, de eliminar de matar, que devem ser evitados”.
    Os pais entrevistados recomendam games baseados em filmes infantis como, por exemplo, jogos de “Toy story 3”, “Kung fu panda” e “Shrek”. O jogo de corrida “Mario kart”, contudo, é o preferido de todos. “Este tipo de jogo é baseado na sorte, ou seja, nem sempre o melhor vence”, explica Mauricio Alegretti. “A criança percebe quando o pai dá mole e deixa ela ganhar e jogos que se baseiam muito na sorte para um vencer ajudam bastante na diversão”.
    Independentemente do jogo escolhido, a dica é que o pai jogue com os filhos, principalmente os mais novinhos. Assim, ele ajudará a criança a não se frustrar com as dificuldades dos títulos. Na opinião de Fabio Santana, “os pais tem que participar quando o filho está jogando para ajudar na frustração, sendo ou não”

    Limites são importantes

    Conversar com os filhos sobre jogos violentos ajudou os filhos dos entrevistados. “Quando eu começo a jogar games para adultos, minhas filhas saem de perto. Alguns como “Alan wake” [do Xbox 360], elas escutam o som e saem correndo”, conta Alegretti. “Ao olhar a caixinha, o Pedro já sabe que o jogo não é indicado para ele. Se ele ver uma arma, ele nem tem o interesse de jogar”, explica Santana. “Quando o jogo tem cenas pesadas, eu converso com a Saori para explicar porque ela nçao pode assistir aquilo”, diz Rubens Eduardo Antonini.
    Para não atrapalhar a escola, geralmente, os pais impõem limites quanto ao tempo de jogo do filho sozinho ou em conjunto. As regras ajudam a não prejudicar a criança na escola, criando horários para estudo e para outras atividades. “Tem que haver limites, pois a criançada fica muito mergulhada no game”, diz Adriana. “Uma hora de jogo diário é um tempo interessante e no final de semana pode deixar jogar um pouco mais”.
    avatar
    konji~*
    Veterano Nv.MÁX
    Veterano Nv.MÁX

    Karma Karma : 70
    Posts Posts : 2007

    Re: Pais da geração '8 bits' ensinam os filhos a jogar videogame

    Mensagem por konji~* em Dom 08 Ago 2010, 10:49

    Não li o tópico todo só um pouco mas parece ser bem interessante
    Parabéns!!
    PS: Descupe-me pela minha falta de vontade não tenho paciência -,-'
    avatar
    Neko
    Veterano Nv.MÁX
    Veterano Nv.MÁX

    Karma Karma : 15
    Posts Posts : 2063

    Re: Pais da geração '8 bits' ensinam os filhos a jogar videogame

    Mensagem por Neko em Dom 08 Ago 2010, 14:28

    Meu pai num é da década de 70, é um pouco mais velho, q pena pois se não teria mais jogos e menos brigas porcausa do JN
    avatar
    victor hugo
    Membro Nv.3
    Membro Nv.3

    Karma Karma : 0
    Posts Posts : 54

    Re: Pais da geração '8 bits' ensinam os filhos a jogar videogame

    Mensagem por victor hugo em Qui 23 Set 2010, 22:46

    meu pai NUNCA ouviu falar do nes e olha que ele nascaeu em 74
    avatar
    André
    Veterano Nv.MÁX
    Veterano Nv.MÁX

    Karma Karma : 38
    Posts Posts : 1572

    Re: Pais da geração '8 bits' ensinam os filhos a jogar videogame

    Mensagem por André em Qui 23 Set 2010, 23:08

    Interessante.

    Se um dia eu tiver filho vou ensinar eles a jogar videogame também

    darknana
    Veterano Nv.MÁX
    Veterano Nv.MÁX

    Karma Karma : 6
    Posts Posts : 3610

    Re: Pais da geração '8 bits' ensinam os filhos a jogar videogame

    Mensagem por darknana em Sex 24 Set 2010, 13:40

    se meu filho pensar em encostar nos meus consoles, ele morre.
    avatar
    Wiilington
    Veterano Nv.35
    Veterano Nv.35

    Karma Karma : 112
    Posts Posts : 1381

    Re: Pais da geração '8 bits' ensinam os filhos a jogar videogame

    Mensagem por Wiilington em Sex 24 Set 2010, 15:19

    darknana escreveu:se meu filho pensar em encostar nos meus consoles, ele morre.
    Huahuahua.
    Eu tb tenho ciúmes de meus consoles, de vez em quando deixo meus sobrinhos mecherem no DSi Xl ou no PSP mas fico supervisionando para ver se eles não apertam muito os botões do PSP e não Riscar a tela do DSi rsrsrs.
    Por falar nisso o Fabio Santana era editor da EGM Brasil e tb da Nintendo World, boa época , eu conheci ele na EGS 2004/2005 o cara é fera nos games!!!

    Conteúdo patrocinado

    Re: Pais da geração '8 bits' ensinam os filhos a jogar videogame

    Mensagem por Conteúdo patrocinado


      Data/hora atual: Sab 21 Out 2017, 17:19