Arquivo do Fórum Nintendo Blast

Olá visitante/usuário! Nós estamos em processo de migração e deixaremos este Fórum em breve.

A migração é para termos mais liberdade e para podermos ter um Fórum melhor! Se você ainda não é cadastrado neste Fórum e nem no novo, clique aqui e cadastre-se já no Novo Fórum!

Se você já possui uma conta aqui, clique aqui e saiba como migrar para o Novo Fórum Nintendo Blast!
Arquivo do Fórum Nintendo Blast

    O fim de uma era: As contribuições e lições deixadas pelo Nintendo Wii

    Compartilhe
    avatar
    OpacoLione
    Veterano Nv.35
    Veterano Nv.35

    Karma Karma : 97
    Posts Posts : 1463

    O fim de uma era: As contribuições e lições deixadas pelo Nintendo Wii

    Mensagem por OpacoLione em Dom 23 Set 2012, 10:01

    By> Nintendo Blast, postado por Jardeson Barbosa.

    Depois de seis anos no mercado, finalmente podemos dizer que o Nintendo Wii está quase se despedindo. Um fim ao suporte do console ainda não deve estar nos planos da Nintendo, mas com a chegada do Wii U em dois meses, é natural que as pessoas já considerem seu antecessor um “console morto”. No especial de hoje, relembraremos um pouco as estratégias comerciais da Nintendo, a revolução criada pelo Nintendo Wii e como tudo isso afetou a forma como jogamos videogame. Como está a imagem da Nintendo após uma geração tão conturbada? Quais lições deixadas pelo console devem (e não devem) ser levadas a diante?
    A ascensão e a queda da Nintendo
    Desde que lançou seu primeiro console de mesa, a Nintendo se destaca por seu pioneirismo em diversas tecnologias e ideias inovadoras, que rapidamente se tornam tendências. O NES, por exemplo, se tornou um sucesso estrondoso graças ao hardware robusto, que incluía um controle completamente desenvolvido pela Big N; e aos jogos, que se diferenciavam da concorrência pelas propostas e mecânicas ainda não exploradas. Jogos como Super Mario Bros., The Legend of Zelda, Metroid, Duck Hunt e Mike Tyson’s Punch-Out!! estão na vanguarda de seus gêneros e abriram espaço para diversas outras desenvolvedoras construírem, ao lado da Nintendo, a indústria dos videogames que temos hoje.

    De lá para cá, cada console da Big N foi lançado com atributos únicos. O controle do SNES em formato de osso, por exemplo, abriu espaço para que o console pudesse receber diversas conversões de jogos de arcades. Isso garantiu à Nintendo uma posição muito confortável na “guerra dos 16 bit”, já que ela apresentava um hardware capaz de entregar experiências únicas aos consumidores (graças a jogos como Super Mario World, Mega Man X e The Legend of Zelda: A Link to the Past), ao mesmo tempo em que entregava experiências que eles só poderiam encontrar nos arcades, como Street Fighter II, Killer Instinct e Teenage Mutant Ninja Turtles: Turtles in Time. Além disso, tecnologias empregadas no console, como os chips Mode7 e Super FX, obrigaram os concorrentes a se adaptar para se manterem competitivos. Jogos como Contra III: The Alien Wars, Super Mario Kart, F-Zero, The Secret of Mana, Star Fox e Super Mario World 2: Yoshi's Island foram um verdadeiro “passo à frente” da indústria.

    Após os anos de vacas gordas, vieram os anos de vacas magras. Com a insistência em lançar um console que não utilizava a mesma tecnologia de CDs, dos concorrentes PlayStation e Saturn, a Nintendo acabou cavando a própria cova. O Nintendo 64 até apresentou jogos únicos (como Super Mario 64) e um controle inovador, que dispunha de um analógico com 360º de rotação, mas a empresa de Quioto não mais ditava as regras como antes.

    A situação se repetiu no GameCube. O console seguiu toda a metodologia criada pelas concorrentes na geração 32 bit (como mídia óptica e direcional analógico extra), mas falhou em apresentar tecnologias realmente novas que pudessem dar um gás extra à indústria e que destacassem a presença da gigante, que acabou ficando em último lugar na “guerra dos consoles” dessa época. Com a recente queda da ex-gigante Sega, só se falava no destino da Nintendo, que parecia ser o mesmo.

    Como uma “falência” anunciada aos quatro cantos pelos mais diversos analistas de mercado poderia ser evitada? Foi ao fim de uma geração decepcionante que Satoru Iwata e as demais cabeças pensantes que integram a empresa encontrariam uma solução no próprio passado glorioso. A Nintendo precisaria voltar a inovar, da mesma maneira que fez com o NES.

    Nintendo Entertainment System 2
    De muitas formas, o Nintendo Wii pode ser considerado uma versão atualizada do velho NES. O que fez do NES um console especial foi o fato de ele ser diferente, e o mesmo pode se aplicar ao Wii.



    Para início de conversa, o Wii foi um console capaz de atingir as massas, assim como o NES havia feito há quase 20 anos antes. Quando o NES foi lançado, a empresa tratou de apresentá-lo como um computador para a família, uma peça que não era apenas um videogame, mas um centro de entretenimento para o lar. E foi exatamente esse o compromisso do Wii e de seus jogos.


    Uma nova forma de jogar
    A primeira grande diferença do Wii em relação a tudo que já havia sido feito está nos controles. O curioso Wii Remote foi uma verdadeira febre na segunda metade da última década. Apesar de todo o ceticismo da indústria, o novo controle da Nintendo instituiu uma nova forma de jogar que rapidamente foi acompanhada por outras gigantes do setor.

    Os mais beneficiados foram os jogos “party”. Muitos títulos que simulavam atividades do dia a dia foram criados com o Wii Remote em mente. Jogos baseados no boliche, por exemplo, ganharam uma nova roupagem com os controles por movimento. A partir daí já dá pra imaginar que todo tipo de game foi feito, desde os que se baseiam em esportes aos que se baseiam em pescaria.

    Abandonado como um brinquedo velho
    As diferenças entre o Wii e o NES surgem quando se pensa na forma em que eles foram explorados. O Wii pode ser comparado a uma dessas inovações tecnológicas que são bem sucedidas, mas possuem prazo de validade bem limitado (iPad, estou olhando para você). Apesar de não se destacar enquanto um bom hardware para jogos, o Wii apresentou uma série de conceitos inexplorados e despertou o interesse do consumidor comum – aquele que não está acostumado a comprar consoles.

    Os primeiros anos foram de festa. Wii Fit e Wii Sports eram jogos vanguardistas e conseguiram reunir um grande número de pessoas nas salas de estar. Com o passar dos anos, a febre foi diminuindo. Impressionar não era mais uma tarefa fácil e, aos poucos, as pessoas foram cansando da proposta inovadora do Wii. Apenas uma modinha?

    A verdade é que, apesar de proporcionar um preço competitivo, o hardware do Wii limitou o potencial do console. A baixa resolução e o pífio poder de processamento logo foram superados por diversos outros dispositivos – e jogar com os movimentos do corpo já era realidade em todos eles.

    Com a queda no interesse das pessoas, as desenvolvedoras também perderam o interesse na antiga mina de ouro, passando assim a concentrar esforços nas novas modas, como o iPad e o Kinect.



    Hoje, o Nintendo Wii acumula poeira nas prateleiras de muita gente, e a culpa é da Nintendo. O console que revolucionou o mercado não teve força para segurar o contra-ataque dos adversários e criou uma saia justa para a Nintendo, que hoje se vê novamente desacreditada pela imprensa e por grande parte dos jogadores.

    O erro foi focar demais em um público não tão fiel, como os jogadores casuais, e esquecer daqueles que fizeram da empresa o que ela é hoje. Não estou dizendo que a Nintendo deixou de lançar bons títulos clássicos (Metroid Prime 3: Corruption e Super Mario Galaxy não me deixariam mentir), mas, a partir do momento em que a empresa criou um brinquedo (e não uma central de entretenimento, como haviam prometido), era de se esperar que o destino do Wii fosse a caixa de brinquedos velhos.

    O que deve e o que não deve ser levado a diante
    O legado do Wii é extenso, e merece ser respeitado. O console transformou o sonho dos controles por movimento em realidade, dividiu os jogadores em hardcore e casual (essa separação já existia, mas se tornou bem mais evidente com o Wii), apresentou o fantástico mundo dos games para pessoas que jamais haviam experimentado um videogame na vida (como muitos idosos), foi a casa de clássicos como Super Mario Galaxy e não podemos nos esquecer dos amigáveis Miis.


    No entanto, muitas das coisas trazidas pelo Wii acabaram se mostrando adições desnecessárias ou, pior, prejudiciais à indústria como um todo.

    Uma das características mais questionáveis do Wii é a falta de seriedade, quase sempre constante em seus jogos. Não falo aqui de sangue, vísceras e outras coisas que os pseudo-hardcore adoram exaltar, mas de coisas que funcionavam bem nas gerações passadas e que foram deixadas de lado pelas produtoras que desenvolveram projetos para o Wii (incluindo a própria Nintendo).

    Se existem lições que a Nintendo pode tomar com o Wii, uma delas é a de que gráficos imponentes não são tudo, mas um hardware limitado pode se tornar um problema a longo prazo. A ausência de foco na conexão online transformou o Wii em uma opção desinteressante para o consumidor, enquanto a grande diferença entre o poder do Wii e dos outros consoles da concorrência o colocou em uma posição desfavorável entre os desenvolvedores. E esses são apenas alguns dos muitos exemplos. Se o WiiWare fosse um serviço mais aberto e sem limite para o tamanho dos jogos, por exemplo, talvez, apenas talvez, algumas coisas poderiam ter sido diferentes.

    O Nintendo Wii foi um console especial. Foi o console da Nintendo com mais unidades vendidas, o que trouxe de volta várias franquias memoráveis (como Mega Man e Punch-Out!!) e o que aproximou a Nintendo dos consumidores de uma forma que nenhum dos consoles recentes foi capaz. Apesar de uma série de erros e más interpretações, o Wii fez exatamente aquilo que era de se esperar de um console com o nome Revolution: uma revolução em um segmento que andava tão parado. Se o legado será levado a diante? Só o tempo dirá. Mas, apesar dos pesares, a Nintendo se orgulha do console que fez, tanto que manteve o nome no sucessor, e isso demonstra que as coisas deram certo novamente. Só nos resta esperar que o U de Wii U seja equivalente ao S de SNES.


    ------
    Wii, eu sentirei a sua falta!
    avatar
    Convidad
    Convidado

    Re: O fim de uma era: As contribuições e lições deixadas pelo Nintendo Wii

    Mensagem por Convidad em Seg 24 Set 2012, 10:55

    O Wii não foi um Nes 2. Ambos podem ser inovadores, mas um tinha biblioteca e o outro não.

    Os 3 consoles mais vendidos, PS2-DS-PS1 tem uma coisa em comum, biblioteca vasta e diversificada.

    E a maioria dos consoles dessa geração de mesa não tem isso, o Wii é principalmente movido por first party. O PS3 virou uma anti-tese do que o PS2-1 siginificavam, foi um console pouco dinamico e diversificado. O Xbox 360 é tipo um PC piorado.

    Agora sobre o Wii U, sim, eu acho que ele tem cara de super nintendo, que foi alias o melhor console da nintendo. Talvez dessa vez ele seja o melhor console mesa da geração, uma coisa que eu não vejo em um console da nintendo desde o Snes (Na minha opinião pessoal)
    avatar
    vandalier
    Membro Nv.6
    Membro Nv.6

    Karma Karma : 33
    Posts Posts : 84

    Re: O fim de uma era: As contribuições e lições deixadas pelo Nintendo Wii

    Mensagem por vandalier em Seg 24 Set 2012, 11:16

    Raspberry Slime escreveu: O Wii não foi um Nes 2. Ambos podem ser inovadores, mas um tinha biblioteca e o outro não.

    Os 3 consoles mais vendidos, PS2-DS-PS1 tem uma coisa em comum, biblioteca vasta e diversificada.

    E a maioria dos consoles dessa geração de mesa não tem isso, o Wii é principalmente movido por first party. O PS3 virou uma anti-tese do que o PS2-1 siginificavam, foi um console pouco dinamico e diversificado. O Xbox 360 é tipo um PC piorado.

    Agora sobre o Wii U, sim, eu acho que ele tem cara de super nintendo, que foi alias o melhor console da nintendo. Talvez dessa vez ele seja o melhor console mesa da geração, uma coisa que eu não vejo em um console da nintendo desde o Snes (Na minha opinião pessoal)
    Exatamente.

    A única coisa que o Wii ensinou é que jogos que usam movimentos geralmente são ruins, mas vendem como água. E a MS aproveitou a ideia, e deu suporte a jogos produzidos por quem não sabe o que é videogame para pessoas que não querem saber o que é videogame.
    avatar
    Ghutto®
    Veterano Nv.MÁX
    Veterano Nv.MÁX

    Karma Karma : 89
    Posts Posts : 3184

    Re: O fim de uma era: As contribuições e lições deixadas pelo Nintendo Wii

    Mensagem por Ghutto® em Seg 24 Set 2012, 11:18

    O Wii ensinou a coisa mais importante que pode haver no mundo dos games: Jogabilidade é diversão e diversão supera tudo, incluído gráficos ou histórias ruins.
    avatar
    Lucasxarope
    Membro Nv.31
    Membro Nv.31

    Karma Karma : 60
    Posts Posts : 332

    Re: O fim de uma era: As contribuições e lições deixadas pelo Nintendo Wii

    Mensagem por Lucasxarope em Seg 24 Set 2012, 11:22

    Também não concordo com a comparação com o Famicom.

    Sem levar em conta a biblioteca, que do Wii, para mim, foi a pior da Nintendo.

    A premissa do Wii foi excelente, mas o único jogo que utilizou os recursos do Wii 100% foi Skyward Sword. De resto, alguns usaram um pouco mais, outros, um pouco menos, e muitos, não utilizaram nada que o Wii tinha para oferecer.

    A maioria dos jogos utilizaram a movimentação do Wiimote apenas como chacoalho aleatório, sendo a jogatina uma festival de meche meche sem nenhum discernimento do movimento. Uma função que poderia ser substituído por um botão sem o menor problema.

    Além de uma porção de acessórios que apresentaram uso extremamente limitado (vara de pescar, arco e flecha) ou que, por enquanto, não se mostraram minimamente utilizáveis, como os recursos de volante do Wii Remote. Péssimos.

    Numa ordem de inovação, dentro dos parâmetros Nintendo, colocaria o Wii atrás do NES e do Nintendo 64. Se bem que daria para falar dos vídeogames no geral, já que é difícil inovação fora da Nintendo. heeheheh

    (Sendo o SuperNES o console mais completo.)

    E um pedido: Melhore a formatação do texto, coloque uns subtítulos ou justifique os parágrafos, do jeito que está, é muito cansativo para ler.
    avatar
    Andredjow
    Veterano Nv.9
    Veterano Nv.9

    Karma Karma : 75
    Posts Posts : 616

    Re: O fim de uma era: As contribuições e lições deixadas pelo Nintendo Wii

    Mensagem por Andredjow em Seg 24 Set 2012, 12:21

    não vou sentir saudades do Wii, porque eu tinha destravado ele, aí eu "travei" de novo, e agora só compro jogos originais, praticamente meu wii está no começo da sua vida.
    avatar
    Hirohyto
    Veterano Nv.15
    Veterano Nv.15

    Karma Karma : 197
    Posts Posts : 757

    Re: O fim de uma era: As contribuições e lições deixadas pelo Nintendo Wii

    Mensagem por Hirohyto em Seg 24 Set 2012, 12:35

    O Wii não vai me fazer falta porque sou um retrogamer e nunca vendo os meus consoles...este fim de semana mesmo finalizei o Yo Noid! do NES...mas eu fiquei satisfeito com o que o Wii fez, ao contrário do Gamecube que senti que ele não foi bem aproveitado.
    avatar
    Andredjow
    Veterano Nv.9
    Veterano Nv.9

    Karma Karma : 75
    Posts Posts : 616

    Re: O fim de uma era: As contribuições e lições deixadas pelo Nintendo Wii

    Mensagem por Andredjow em Seg 24 Set 2012, 12:45

    Hirohyto escreveu:O Wii não vai me fazer falta porque sou um retrogamer e nunca vendo os meus consoles...este fim de semana mesmo finalizei o Yo Noid! do NES...mas eu fiquei satisfeito com o que o Wii fez, ao contrário do Gamecube que senti que ele não foi bem aproveitado.

    Eu também sou colecionador Surprised ! Nunca vendi um video-game na minha vida!

    Conteúdo patrocinado

    Re: O fim de uma era: As contribuições e lições deixadas pelo Nintendo Wii

    Mensagem por Conteúdo patrocinado


      Data/hora atual: Ter 24 Out 2017, 09:44